Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

Doutos ditos

E o que diz Molero, perdão António Borges do PSD, sobre a urgência/importância de privatizar a Caixa ?, pergunta um leitor num comentário a este texto de Tiago Freire, no Diário Económico (e já agora, pergunto eu, além da Caixa não existia também uma urgência na privatização da Segurança Social?):

«Apesar do momento delicado de todo o sistema financeiro das economias desenvolvidas, o banco público engordou nos últimos meses. Aumentos de capital, venda de participações e emissões de dívida. Neste último campo, a última novidade é uma emissão de 400 milhões de euros, destinado à colocação junto de investidores e clientes do banco, satisfazendo a procura crescente de produtos menos arriscados e, ainda por cima, com o “selo de garantia” do Estado que a CGD comporta. Por mais que, oficialmente, ninguém o admita, a verdade é que a Caixa está longe de ser um banco como os outros. É “o banco”, aquele que poderá funcionar, dentro de certos limites, como estabilizador do sistema português, caso tal seja necessário. Talvez por isso, nos últimos tempos, deixou de se ouvir falar da eventual privatização da Caixa Geral de Depósitos.»

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:30
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos