Terça-feira, 18 de Outubro de 2005

Mia Couto

Pic0230.jpg 
(O cansaço obriga-me a leituras breves... Por isso os poemas, por isso as crónicas, os contos... Apesar de tudo a necessidade de passar os olhos pelas páginas, pelas rugas de letras, pelo branco crú da cal..., descobrindo coisas boas, como este Mia Couto que ao longo dos anos me foi passando ao lado.)

"Dois namorados dividem o mundo ao meio e cada metade é ainda o mundo todo. Assim estavam os dois apaixonados frente a frente, ensinando a vida a ser bonita. Via-se que ele estava cercado por ela, a beleza dela transbordava mesmo onde ela não estava. Borboleteou dois dedos à volta da blusa dela: a menina foi saindo de sua roupa. Sobre seus pés, a blusa tombou como essas folhas que as árvores lacrimejavam. Foi quando ele se sacudiu, baixando o rosto. Nos olhos dela dançava uma tentação, mas o coração dele pestanejava. Olhou-a no alvoroço da nudez, agora com mais pensamento que sentimento: uma flor pode sair de suas pétalas? Essa pergunta lhe afligia. Afinal, desfeita a corola, o que resta da flor? (...)"
Mia Couto in Cronicando
Publicado por Fernando Delgado às 00:27
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos