Sábado, 5 de Abril de 2008

Umberto Eco

«(…)
A primeira figura representava um homem, de ar de demónio, acorrentado a um rochedo no meio do mar, chicoteado pelas ondas. (…)
Do rochedo aproximou-se um navio (…) e dele desceu Ferrante, que libertou o condenado. Tudo era claro. No decorrer do seu navegar, Ferrante havia encontrado – como a lenda nos garante que seja – Judas recluso no oceano aberto, a espiar a sua traição.
- Obrigado, disse Judas a Ferrante; (…) – Desde que fui aqui subjugado, à hora nona de hoje, esperava poder ainda reparar o meu pecado… Agradeço-te, irmão.
- Estás aqui só há um dia, ou menos ainda? – perguntou  Ferrante. – Mas o teu pecado foi consumado no ano trigésimo terceiro do nascimento de Nosso Senhor, e portanto há mil seiscentos e dez anos…
- Ai, homem ingénuo – respondeu Judas - , há certamente mil seiscentos e dez dos nossos anos que eu fui posto neste rochedo, mas não é ainda e nunca será um dia dos meus. Tu sabes que, entretanto no mar que circunda esta minha ilha, penetraste noutro universo que corre ao lado e dentro do vosso, e que aqui o sol gira em torno da Terra como um cágado que a cada passo anda mais lento que antes. Assim neste meu mundo o meu dia ao início durava dois dos vossos, e depois três, e assim por diante cada vez mais, até agora, em que ao cabo de mil seiscentos e dez dos vossos anos eu estou ainda e sempre na hora nona. E dentro em pouco o tempo será ainda mais lento, e depois ainda mais, e eu viverei sempre a hora nona do ano trinta e três da noite de Belém…
- Mas porquê? – perguntou Ferrante.
- Mas porque Deus quis que o meu castigo consistisse em viver sempre na Sexta-Feira Santa, a celebrar sempre e em cada dia a paixão do homem que traí. O primeiro dia da minha pena, enquanto para os outros homens se aproximava o crepúsculo, e depois a noite, e depois a madrugada do sábado, para mim decorrera um átomo de um átomo de minuto desde a hora nona daquela sexta-feira. Mas abrandando-se ainda mais o correr do Sol, entre vós Cristo ressurgia, e eu estava ainda a um passo daquela hora. E agora, que para vós passaram séculos e séculos, eu estou sempre a uma migalha de tempo daquele instante…
- Mas este teu Sol também se move, e virá o dia, nem que seja daqui a dez mil ou mais anos, em que tu entrarás no sábado.
- Sim, e então será pior. Sairei do meu purgatório para entrar no meu inferno. Não cessará a dor da morte que causei, mas perderei a possibilidade que ainda me resta de fazer que o que aconteceu não aconteça.
- Como?
- Não sabes que a pouca distância de aqui corre o meridiano antípoda. Para lá daquela linha, tanto no teu universo como no meu, é o dia antes. Se eu, agora libertado, pudesse ultrapassar essa linha, reencontrar-me-ia na minha Quinta-Feira Santa, pois este escapulário que me vês sobre os ombros é o vínculo que obriga o meu Sol a acompanhar-me como a minha sombra, e a fazer que para onde quer que eu vá todo o tempo dure como o meu. Poderia então alcançar Jerusalém viajando por uma longuíssima quinta-feira, e chegar antes que a minha traição fosse realizada. E salvaria o meu Mestre da sua sorte.
- Porém – objectou Ferrante -, se impedires a Paixão nunca mais haverá a Redenção, e assim o mundo estaria ainda hoje preso do pecado original.
- Ai – gritou Judas chorando -, eu pensava só em mim mesmo! Mas então o que devo fazer? Se deixar de agir como agi, continuo condenado. Se reparar o meu erro, obsto ao plano de Deus, e por isso serei punido com a condenação. Então estava escrito desde o início que eu seria condenado a ser condenado?
(…)»
Umberto Eco in A Ilha Do Dia Antes. Difel.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:41
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos