Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007

Sun Tzu

“Ho-lü disse: ”Li, Senhor, os seus treze capítulos completos. Será capaz de me fazer uma pequena demonstração de controlo de tropas?”
Sun Tzu respondeu: “Sou, sim.”
Ho-lü perguntou: “Poderá a experiência ser feita com mulheres?”
Sun Tzu assentiu: “Pode, sim.”
Concordando, o rei mandou que do palácio viessem cento e oitenta belas mulheres.
Sun Tzu dividiu-as em duas companhias, colocando à frente de cada uma delas uma das favoritas do rei. A todas ensinou como empunhar alabardas. Perguntou-lhes então: Sabeis onde estão o coração, as mãos, direita e esquerda, e as costas?”
E as mulheres afirmaram: “Sabemos.”
Sun Tzu explicou-lhes: “Quando eu der a ordem ‘Em frente’, virai-vos para onde o coração está virado. Quando mandar ‘À esquerda’, voltai-vos para o lado da mão esquerda. Quando mandar ‘À direita’, voltar-vos-eis para o da direita. Finalmente, quando ordenar ‘À retaguarda’, virar-vos-eis na direcção das vossas costas.”
E as mulheres voltaram a afirmar: “Entendemos.”
Uma vez feitas estas recomendações, informou-as estarem os instrumentos do carrasco a funcionar.
Sun Tzu proferiu as ordens três vezes e explicou-as cinco vezes mais, após o que ordenou ao tambor que rufasse. “Direita volver”. As mulheres escangalharam-se a rir.
Sun Tzu comentou: “Se os regulamentos não são claros e as ordens não são perfeitamente explicadas, a culpa é do comandante.”
Assim, repetiu as ordens mais três vezes e explicou-as mais cinco vezes, após o que fez sinal ao tamborim para que rufasse. “Esquerda volver”. De novo as mulheres rebentaram de riso.
Sun Tzu comentou: “Se as instruções não são claras e os comandos pouco explícitos, a culpa é do comandante. Mas quando foram bem claramente postos e não são executados de acordo com os ditames militares, então o delito é da parte dos oficiais.”
Logo a seguir, ordenou que as mulheres no comando das divisões esquerda e direita fossem decapitadas.
O rei Wu, que do alto do seu terraço assistia aos exercícios, viu que as suas duas queridas concubinas iam ser executadas. Aterrado, enviou a toda a pressa um ajudante-de-campo, com a mensagem seguinte: “Já verifiquei ser o general capaz de lidar com tropas. Sem aquelas duas concubinas, a minha comida perderá o seu sabor. É meu desejo que não sejam executadas.”
Sun Tzu respondeu-lhe: “Este vosso servo foi por vós próprio nomeado comandante-chefe, e quando um comandante-chefe encabeça as suas tropas não é obrigado a obedecer totalmente ao seu soberano.”
Como exemplo, fez levar por diante a sua ordem de decapitação das duas mulheres que haviam comandado as duas divisões e nomeou as duas que se lhes seguiam em categoria como novas comandantes.
Repetiu as ordens através do tamborim e as mulheres viraram à esquerda, à direita, em frente, à retguarda, ajoelharam-se e ergueram-se, todas em total acordo com as instruções que lhes havia dado. Nem sequer ousaram produzir o mais leve ruído.
Sun Tzu enviou nessa altura uma mensagem ao rei informando-o de que “as tropas estão agora em condições. O rei poderá descer e inspeccioná-las. Estão prontas a ser utilizadas de conformidade com os reais desejos, pelo meio do ferro e do fogo, se for preciso”.
O rei Wu respondeu-lhe: “Pode o general voltar ao seu hostal e descansar. Não inspeccionaremos as tropas.”
Ao que Sun Tzu replicou: “O rei apenas aprecia palavras ocas. É incapaz de as pôr em prática.”
 
Sun Tzu in A Arte da Guerra
 
Faço os possíveis por ler os livros que me recomendam, mesmo que o título, que é sempre a primeira janela, seja uma blasfémia… Agora que cheguei ao fim, não quero comentar o livro (fica o texto acima como exemplo…), mas apenas dizer que há amigos (é verdade, tenho amigos com os quais estou quase sempre em desacordo, é a minha forma de exercitar a arte da guerra…) que me surpreendem. Ó Álvaro, nem sequer sei se gostei do livro, foi-me completamente indiferente, não ficou nada, … Se queres que te diga, houve partes em que me lembrei do Valente Soldado Chveik, de J. Hasek (que saudades!...), outras do RDM (não andaste na tropa, mas é uma espécie de manual de boas maneiras…) ou das Citações do Mao, (tão certinhas, tão óbvias,...), e, imagina, do Nuno Rogeiro, na TV, com aquele ar de inteligente a explicar a guerra, qualquer guerra… A única coisa boa é que, como rejeição, desta vez vou arranjar coragem e tempo (à força!), para ler A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón (pelo menos gosto do título…), que está aqui mesmo ao lado há demasiado tempo à minha espera... Um dia destes ofereço-te um livro…
Publicado por Fernando Delgado às 23:53
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos