Segunda-feira, 20 de Agosto de 2007

Sándor Márai

(...) “Transcorrido um certo tempo, nada se pode por em ordem entre duas pessoas; compreendi essa verdade sem esperança naquele instante, quando nos sentámos, ali, no banco de pedra. O homem vive, e corrige, ajusta, edifica, e destrói, algumas vezes, a sua vida; mas passado tempo, dá-se conta de que o todo, tal como está, por força dos erros e do acaso, é imodificável. Lajos, aqui, nada podia fazer. Quando alguém emerge do passado, para anunciar em voz comovida, que quer por tudo em ordem, só podemos lamentar e sorrir das suas intenções; o tempo já tudo pôs em ordem, à sua estranha maneira, da única maneira possível.” (...)
Sándor Márai in A herança de Eszter
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 18:45
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos