Domingo, 5 de Agosto de 2007

Kundera

“A frase de Chantal ressoava-lhe na cabeça, e ele imaginava a história do seu corpo: estava perdido no meio de milhões de outros corpos até ao dia em que um olhar de desejo poisou sobre ele e o tirou da nebulosa multidão; depois os olhares multiplicaram-se e esbrasearam aquele corpo, que desde então atravessa o mundo como um archote; é o tempo de uma glória luminosa, mas os olhares começarão a rarificar-se em breve e a luz extinguir-se-á a pouco e pouco, até ao dia em que aquele corpo, translúcido, e depois transparente, e depois invisível, passeará pelas ruas como um pequeno nada ambulante. Neste trajecto que vai da primeira invisibilidade à segunda, a frase «os homens já não se voltam por minha causa», é a luz vermelha a indicar que começou a extinção progressiva do corpo.”
 
Milan Kundera in Identidade
(A fotografia foi tirada em Tomar, à margem da festa dos tabuleiros... Neste caso o sítio pouco importa...)
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 15:33
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos