Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

Pequenos mundos

IMG_1518.jpg

 IMG_1472.jpg

 

 

 

Os dois velhotes dirigem-se a um destino bem preciso - eles vêm de algum lado e o caminho, tal como num rio, apenas traduz as margens de um rumo... O aparente caminhar para o fim está apenas na nossa cabeça..., mesmo que a realidade nos diga que é assim. Não há nos inícios e fins de qualquer coisa nada de dramático, apenas a demonstração de que "o mundo é composto de mudança", tão só a certeza de que o futuro precisa destes fins , unicamente a esperança de que os inícios (os novos inícios) não rejeitem todos os outros.

A prova de que isto é assim, está nas casas sem telhado, não porque caíram de velhos ou porque o fogo os consumiu, mas apenas porque estas casas precisaram de libertar o que no seu conteúdo já não fazia sentido estar aprisionado... São bonitas assim, abertas ao céu, como as mãos estendidas a outras mãos...  

(A compaixão é um sentimento inútil, ridículo e hipócrita..., é preciso imaginar estes pequenos mundos como os mais belos mundos do mundo!)

 

Publicado por Fernando Delgado às 21:47
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos