Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Existências

"(...) Nenhum acto é tão autêntico como o trabalho.
Quando queremos ser sérios e profundos dizemos que trabalhamos.
E é nesse gesto mágico e económico que se suportam os nossos sonhos.
A labuta como método de render homenagem à existência.
Culto do que não é oculto nem ficcional. (...)
 
(... e quanto me custa reproduzir estes versos de "importância" no Sísifo... Gosto do oculto e do ficcional e sobretudo não gosto do trabalho como invocação da existência... Mas são versos, posso sempre refugiar-me no seu provável sentido metafórico e tentar justificar, a mim mesmo, esta ausência cada vez mais prolongada... Que mal me sinto, tão sério e profundo que nem admito que o trabalho me impede  outras existências...)
Publicado por Fernando Delgado às 00:05
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos