Domingo, 31 de Dezembro de 2006

Vazios

Há períodos em que não apetece escrever, como há outros em que não apetece ler, falar, trabalhar… É estranho, mas é mesmo assim. São espaços aparentemente vazios, em que nada nos motiva, em que tudo se resume à rotina, a esta forma ambígua de fazer sem estar e de estar sem ser. Mas há um lado prático nesta pausa intelectual: as coisas, mesmo as coisas importantes deste mundo, acabam por acontecer sem nos beliscar em demasia, como se fizessem parte da rotina, como se fossem normais e simples, como se acontecessem porque têm que acontecer. Há, assim, momentos em que a inteligência se desliga, deixando-nos em standby, numa letargia madura que se traduz em inutilidade e iniquidade social…
(… na televisão estão dois indivíduos encapuçados a colocar uma corda no pescoço de Saddam Hussein…)
É suposto que os sistemas políticos suportem actos racionais… Acaba, 2006!
Publicado por Fernando Delgado às 01:53
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos