Domingo, 31 de Dezembro de 2006

Vazios

Há períodos em que não apetece escrever, como há outros em que não apetece ler, falar, trabalhar… É estranho, mas é mesmo assim. São espaços aparentemente vazios, em que nada nos motiva, em que tudo se resume à rotina, a esta forma ambígua de fazer sem estar e de estar sem ser. Mas há um lado prático nesta pausa intelectual: as coisas, mesmo as coisas importantes deste mundo, acabam por acontecer sem nos beliscar em demasia, como se fizessem parte da rotina, como se fossem normais e simples, como se acontecessem porque têm que acontecer. Há, assim, momentos em que a inteligência se desliga, deixando-nos em standby, numa letargia madura que se traduz em inutilidade e iniquidade social…
(… na televisão estão dois indivíduos encapuçados a colocar uma corda no pescoço de Saddam Hussein…)
É suposto que os sistemas políticos suportem actos racionais… Acaba, 2006!
Publicado por Fernando Delgado às 01:53
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos