Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Sinais

“O que é a grosseria? Resulta do esforço e da impossibilidade de dar forma a um fundo visceral sem forma. (…)
Como é que isso acontece? Curiosamente, o entorpecimento, além de retirar agilidade ao pensamento (e capacidade de captar o subtil), estabelece uma conexão imediata com o interior visceral, excrecional, excremencial, e a consciência. Quando este interior sobe à superfície (do gesto, da linguagem), não consegue adquirir forma nem expressão elaborada. Aliás, a sua comunicação é uma saída, uma emissão, um jacto, como um espasmo corporal.
Tudo isto compõe um homem arrogante. O pior, na grosseria, não é a ruína da forma, mas a arrogância em julgar-se forma: violência característica do burgesso; o qual, por isso, não chega a destruir completamente a forma, erigindo os seus borborigmos em linguagem única livre.”
 
José Gil in Portugal, Hoje. O Medo de Existir.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:46
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos