Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Sinais

“O que é a grosseria? Resulta do esforço e da impossibilidade de dar forma a um fundo visceral sem forma. (…)
Como é que isso acontece? Curiosamente, o entorpecimento, além de retirar agilidade ao pensamento (e capacidade de captar o subtil), estabelece uma conexão imediata com o interior visceral, excrecional, excremencial, e a consciência. Quando este interior sobe à superfície (do gesto, da linguagem), não consegue adquirir forma nem expressão elaborada. Aliás, a sua comunicação é uma saída, uma emissão, um jacto, como um espasmo corporal.
Tudo isto compõe um homem arrogante. O pior, na grosseria, não é a ruína da forma, mas a arrogância em julgar-se forma: violência característica do burgesso; o qual, por isso, não chega a destruir completamente a forma, erigindo os seus borborigmos em linguagem única livre.”
 
José Gil in Portugal, Hoje. O Medo de Existir.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:46
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos