Sábado, 18 de Novembro de 2006

Fim-de-semana...

“Uma estranha semiótica rege este país. Um português pergunta a outro: ‘aonde vais este fim-de-semana?’ O outro responde: ‘Fico por aí…’. 'Por aqui', 'por aí' designam lugares indeterminados, trajectos aleatórios, sem direcção nem fronteiras, mas bem precisos para os portugueses. Curiosamente, o 'por aí' refere-se a um pequeno território de deambulação (física e mental), ao mesmo tempo invisivelmente enclausurado e internamente livre. Nesse espaço reduzido, o sujeito vai passear ao acaso, cheirar o ar, deixar vir a si as coisas visíveis, sentar-se num café a ler o jornal, provocar sem dúvida calmos encontros esperadamente inesperados com outros que também andam 'por aí'.
(…)
Sob a política de avaliação há a ideia de que a emulação, a competição, a concorrência constituem a essência das motivações humanas, ou seja, que a imagem, que a imagem de si (com as componentes necessárias ao embate das vontades no mercado de trabalho: agressividade, espírito de vencedor, confiança em si, auto-estima, etc – toda uma panóplia de qualidades compondo o padrão de subjectividade ideal do novo mundo capitalista) representa o factor decisivo desencadeador do desejo de desenvolver e ultrapassar os outros. Importaram-se modelos estrangeiros da psicologia social e individual mais sumária, mais estritamente funcional, para os aplicar a sujeitos de sociedades, em muitos aspectos, arcaicas. O resultado é o falhanço desses modelos em Portugal. Porquê? Porque esses modelos de subjectivação dirigem-se sobretudo a estrangeiros ‘dessubjectivados’, ou melhor, subjectivados segundo funcionalidades tecnológicas extremas de onde se exclui o máximo do que, da subjectividade trivial, poderia impedir o rendimento mais elevado.
(…)
Num tal sistema, em que a não-acção é a regra, não se imagina um estado e uma administração sem burocracia. Porque esta constitui o melhor meio de adiamento e paralisação da acção. Ou, mais precisamente (…), ao adiar indefinidamente o agir, a burocracia toma a aparência da acção, criando a ilusão da sua efectuação. (…) Kafka disse tudo sobre a burocracia nas sociedades disciplinares. Com uma evidência luminosa, mostrou que nem era preciso dar um conteúdo à lei, para pôr um sujeito ou um povo a obedecer. Para tanto basta a burocracia com a violência anónima dos seus regulamentos, das suas falsas e contínuas inscrições, das suas sequências obrigatórias e absurdas. (…) A burocracia, o juridismo pertencem curiosamente àquele mesmo fundo que engendra a deambulação barroca do ‘ando por aí’. O desejo de flutuar, de não entrar na vida real; e o frenesim de tudo regimentar – o mínimo gesto, o mínimo sopro de existência – submetendo-os a uma regra.”
 
José Gil in Portugal, Hoje. O Medo de Existir.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 02:36
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos