Quinta-feira, 13 de Julho de 2006

O Mundo é Plano

(…)“Quando Colombo se fez à vela, aparentemente partiu do principio de que a Terra era redonda, estando, portanto, convencido de que poderia chegar à Índia indo pelo ocidente. No entanto, calculou mal a distância. Pensou que a Terra era uma esfera mais pequena do que na realidade é. Também não previu avistar terra antes de chegar às Índias Orientais. Mas chamou indianos/índios aos povos arborígenes locais que encontrou no novo mundo. Ao chegar a casa, contudo, estava apto para dizer aos seua patrocinadores, o rei Fernando e a rainha Isabel, que apesar de não ter descoberto a Índia, podia confirmar que o mundo era, de facto, redondo.
Desloquei-me à Índia pelo caminho certo do Oriente, via Frankfurt. Escolhi a classe executiva da companhia aérea Lufthansa. Sabia exactamente qual a direcção em que ia, graças ao mapa GPS no ecrã amovível do braço do meu assento no avião. Aterrei em segurança e a horas. Encontrei pessoas a que se dá o nome de indianas. Também andava em busca da fonte das riquezas da Índia. Colombo procurava o hardware – metais preciosos, seda e especiarias -, a fonte de riqueza na época em que viveu. Eu procurava o software, poder da mente, algoritmos complexos, profissionais do conhecimento (knowledge workers), call centers, protocolos de transmissão, progressos tecnológicos – as fontes de riqueza nos dias de hoje.(…)
Colombo informou o seu rei e a sua rainha de que o mundo era redondo e entrou para a História como o homem que fez esta descoberta. Regressei a casa e partilhei a minha descoberta apenas com a minha esposa e somente num leve sussuro.
Querida, confidenciei-lhe, acredito que o mundo é plano.”(…)
 
Thomas L. Friedman in O Mundo é Plano, uma história breve do séc.XXI
 
 
(Confesso que estou a fazer um enorme esforço para ler este livro, apesar das recomendações de alguns amigos… as mais de 500 páginas também não ajudam. A globalização sempre me deixou sem fôlego, mesmo que se trate apenas de a compreender… Ainda por cima pode ler-se na contracapa esta prosa de João César das Neves: ‘Com brilhantismo e oportunidade, Thomas Friedman conduz-nos por uma viagem estonteante pelos quatro cantos do mundo e por várias eras, para demonstrar, com material muito variado, que vivemos numa época extraordinária de oportunidades, sobretudo para os mais pobres. … O livro que tem nas mãos pertence a um género raro. Trata-se de uma obra que se ocupa da globalização, mas que não diz mal dela!’. Ainda há pouco, na TV, ouvia alguém da GM da Azambuja falar nisto!... Tenho pena que a jornalista não lhe tenha perguntado se o mundo é plano..., até consigo imaginar a resposta redonda, tão curta e redonda!)
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:34
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos