Segunda-feira, 15 de Maio de 2006

A. Tabucchi

“… E afinal o mundo é feito de actos, de acções… de coisas concretas que acabam por passar, porém, para a acção, escritor, verifica-se, acontece… e acontece apenas naquele preciso momento, e depois desaparece, deixa de existir, foi. E para ficar são precisas palavras que façam com que continue a ser, que testemunhem. (…) De tudo aquilo que somos, de tudo aquilo que fomos, ficam as palavras que dissemos, as palavras que tu agora escreves, escritor, e não aquilo que eu fiz em determinado momento. Ficam as palavras… as minhas… sobretudo as tuas… as palavras que testemunham. No princípio não era o verbo, mas no fim escritor. Mas quem testemunha pela testemunha? A questão é esta, ninguém testemunha pela testemunha…Feliz, infeliz, não é este o problema que me ponho, sabes, escritor, aquilo que me consola é que nesta grande adição, nessa vossa odiosa adição cheia de números, eu não apareço como uma unidade entre as demais, não me incluíram na soma, vês, queriam-me par e eu era ímpar, fiz com que errassem as contas…”
 
Antonio Tabucchi in Tristano morre
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:47
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos