Segunda-feira, 15 de Maio de 2006

A. Tabucchi

“… E afinal o mundo é feito de actos, de acções… de coisas concretas que acabam por passar, porém, para a acção, escritor, verifica-se, acontece… e acontece apenas naquele preciso momento, e depois desaparece, deixa de existir, foi. E para ficar são precisas palavras que façam com que continue a ser, que testemunhem. (…) De tudo aquilo que somos, de tudo aquilo que fomos, ficam as palavras que dissemos, as palavras que tu agora escreves, escritor, e não aquilo que eu fiz em determinado momento. Ficam as palavras… as minhas… sobretudo as tuas… as palavras que testemunham. No princípio não era o verbo, mas no fim escritor. Mas quem testemunha pela testemunha? A questão é esta, ninguém testemunha pela testemunha…Feliz, infeliz, não é este o problema que me ponho, sabes, escritor, aquilo que me consola é que nesta grande adição, nessa vossa odiosa adição cheia de números, eu não apareço como uma unidade entre as demais, não me incluíram na soma, vês, queriam-me par e eu era ímpar, fiz com que errassem as contas…”
 
Antonio Tabucchi in Tristano morre
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:47
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos