Sexta-feira, 10 de Março de 2006

Freud, o pionés e o prego

Numa das caminhadas pretensamente fisioterapáticas que costumo fazer pela cidade, numa noite fria e chuvosa, encontrei um velho debruçado sobre um daqueles cantos das ruas onde tudo se junta: folhas das árvores, papéis, terra suja… O velho aparentemente tinha encontrado o que procurava: uma folha escrita à mão, com a tinta desbotada e com alguma lama à mistura. Olhou-me naquele silêncio de significado universal – isto é importante! -, dobrou cuidadosamente a folha em quatro partes, meteu-a no bolso e afastou-se lentamente.
 
Nunca mais o vi, mas agora, uns dias depois, apetece-me revisitá-lo no meu imaginário – naquele sítio onde a realidade olha a sua sombra tentando encurtar o espaço que as separa… – e entro pela janela numa enorme sala onde o velho está sentado, dolorosamente curvado sobre um livro. Ao fundo, num placard pendurado na parede, consigo descortinar a folha com as letras desbotadas, ainda ligeiramente suja de lama, presa com um pionés. Olha-me, e o seu rosto revela-me um conjunto de inquietações a que só os velhos conseguem transmitir alguma tranquilidade e ternura. “Sabes, há coisas que não devemos perder, mesmo que seja uma folha suja… É bom deixar-mos rasto daquilo que pensamos!” Sentei-me e ele levantou-se e começou a andar pela sala. “A vida não é simples, mas é possível retirar-lhe a ambiguidade que quase sempre a torna insuportável… Aquela folha tem um texto sobre essa ambiguidade, essa espécie de hipocrisia oculta... Vou ler-ta.” Tirou a folha do placard, sentou-se a meu lado, olhou-a longamente e, sem a ler, sussurrou-me: “O acesso ao poder…”, olhou-me, mas claramente não esperava qualquer assentimento, e continuou “…aos pequenos poderes, torna-nos insensíveis a um conjunto de princípios de que nunca devíamos abdicar. É a sofreguidão do imediato, do amanhã que é já agora, mesmo que seja evidente que as coisas estão incompletas e imaturas. Não há um conjunto de regras que sustentem a acção e muito menos o conjunto teórico de princípios que a fundamente. Não, no exercício do poder o que é fundamental é a sua manutenção e é desta sustentação até ao limite da hipocrisia que te queria falar…”
 
Levantei-me e saí pela janela. Fugi! Fugi, porque conheço a história (a realidade aproximou-se da sua sombra…) da folha suja presa no placard a que se vão acrescentando pionés, como se acrescentam peões num campo de batalha, até ela se tornar eternamente estável. A maior ambição da folha é desprender-se do placard, mesmo que venha a parar numa sarjeta suja (nunca as palavras escolheram o local de nascimento e morte…), e a do placard é manter esta espécie de simbiose mumificante. Ambas caem no equívoco de se pensarem autónomas. Ambas dependem do pionés e tudo, em última análise, está sujeito à arbitrariedade de quem dispõe da capacidade de manipular estes objectos de cabeça desmesuradamente oca e um biquinho estúpido. E como esses manipuladores gostam de deixar as impressões digitais na cabeça colorida do pionés, meu deus!... Mas a sua suprema ambição reside na capacidade de transformar o pionés num prego, ferozmente espetado no centro da folha, assegurando a sua eterna estabilidade e imutabilidade. Mesmo adivinhando o obsceno da folha esventrada, a tentação é tão grande que há cabeças que não resistem… E torna-se num vício!
 
(Tudo isto não passaria de um divertido e inútil jogo, se não estivéssemos a falar de pessoas. Tudo isto se resumiria à distracção perante folhas sujas e letras desbotadas, se não estivessem em causa estruturas sociais frágeis. Tudo isto se resumiria à defesa de um conjunto de interesses, se não estivesse em causa os princípios básicos da vida em sociedade... É pena que Freud, que eu saiba, não se tenha debruçado sobre a influência do pionés e do prego - objectos fálicos, sem dúvida! - no exercício do poder…).
ps : Chamaram-me a tenção para o pionese … De facto a palavra correcta é pionés - espécie de prego de cabeça larga e chata, geralmente usado para fixar papéis. Do fr . punaise. (Dicionário da Língua Portuguesa, 2004. Porto Editora).
Publicado por Fernando Delgado às 23:06
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos