Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2005

Júlio Pomar e João Lobo Antunes

"(...) A decisão ética corre por isso o risco de se tornar um frio exercício de soberba moral, indiferente à face humana do sofrimento, surdo ao clamor angustiado de quem tem dúvida, desdenhoso do que alguém chamou os 'mundos morais locais'. Isto é para mim tanto mais chocante quanto sempre entendi a ética como a história das minhas inquietações. Tenho encontrado mais consolo e ajuda em obras de ficção, que me têm feito ver com mais clareza o caminho a trilhar, do que em muita prosa asséptica dos eticistas. (...) Para mim, por isso, a literatura desempenha um papel insubstituível na compreensão do sofrimento humano. (...)"
 
João Lobo Antunes in Sobre a Mão e Outros Ensaios
 
Há momentos que me ficam na memória e, mais cedo ou mais tarde, acabo por encontrar (admito que procuro!...) qualquer coisa que dê continuidade a esses momentos. Esse momento (uma hora, muito breve), foi uma entrevista da Maria João Avilez a João Lobo Antunes e Júlio Pomar, juntos, numa amena conversa. Ambos falaram do que fazem, do que pensam, e... das mãos, da forma como as utilizam, das diferenças e do risco que cada um corre ao utilizá-las: um na pintura, outro na neurocirurgia. Mas foi para mim evidente uma coisa muito simples: qualquer deles faz da sua profissão a síntese de um mundo em que a técnica (de pintar ou de operar) é meramente instrumental, emergente de uma matriz muito vasta de outras ciências e da teia que as une a pintura, a literatura, a música... Este livro é, de algum modo, uma continuidade dessa conversa e confesso que procuro na sua leitura também a busca para a sustentação de um conjunto de inquietações que desde há muito tempo se me levantam. Inquietações relativas a alguma dificuldade em entender a técnica como algo de abstracto, asséptico, desligada da alma, apenas agarrada ao mundo das coisas. Uma técnica que nos ignora, que nos transforma num número. Uma técnica pretensamente neutra e por issso possível de sustentar qualquer deriva moral ou ética....Um dia voltarei aqui !
Publicado por Fernando Delgado às 02:01
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos