Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2005

Jostein Gaarder

 “(…)

- Era uma vez uma centopeia que com as suas cem pernas era muito boa a dançar. Quando dançava, os animais reuniam-se no bosque para a admirar e todos estavam muito impressionados pela sua habilidade. Só um animal não podia suportar que a centopeia dançasse, um sapo...
- Certamente tinha inveja.
- ‘Como é que posso impedi-la de dançar’, pensou o sapo. Não podia dizer que não gostava da dança nem que era melhor a dançar que a centopeia, seria um absurdo. Por fim tramou um plano diabólico.
- Fala!
- Escreveu uma carta à centopeia: ‘ Ó incomparável centopeia! Sou um devoto admirador da tua requintada dança. Gostaria de saber como te moves a dançar. Levantas primeiro a perna esquerda número 22 e depois a perna direita número 59? Ou começas por levantar a tua perna direita número 26 antes de levantares a tua perna esquerda número 44? Aguardo ansiosamente uma resposta tua. Saudações cordiais, o sapo.’
- Que horror!
- Quando a centopeia recebeu esta carta, reflectiu pela primeira vez na sua vida no que fazia quando dançava. Que perna movia em primeiro lugar? E que perna vinha a seguir? O que te parece que aconteceu depois?
- Acho que a centopeia não voltou a dançar.
- Sim, foi o fim. É justamente isso que pode acontecer quando a fantasia é sufocada pela razão.
(...)
- E é a razão que selecciona todas as ideias?
- Sim, ou achas que não? Talvez seja a fantasia que cria uma coisa nova, mas não é responsável pela escolha. Não é a fantasia que compõe: uma composição, e qualquer obra de arte é uma composição, surge de uma colaboração admirável entre fantasia e razão, ou entre sensibilidade e pensamento. Há sempre algo de casual num processo criativo e, numa certa fase, é importante não fechar a porta a essas ideias casuais. É preciso soltarmos as ovelhas antes de começarem a pastar.
(...)"
 
Jostein Gaarder in O Mundo de Sofia
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:58
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos