Domingo, 19 de Março de 2006

Variância


A melhor maneira de perceber esta fórmula é olhá-la como quem observa um quadro de Miró: são traços, estranhamente simples, quase infantis, onde sobra muito espaço para uma explicação que não está lá. O seu conjunto faz sentido porque é claro e límpido, porque traduz uma emoção colorida, porque meigamente nos vigia. O resto, o resultado que decorre da sua aplicação, já é demasiado racional, já traduz o conhecimento. Por isso prefiro este olhar ingénuo, academicamente estúpido…

Publicado por Fernando Delgado às 21:16
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos