Domingo, 19 de Março de 2006

Variância


A melhor maneira de perceber esta fórmula é olhá-la como quem observa um quadro de Miró: são traços, estranhamente simples, quase infantis, onde sobra muito espaço para uma explicação que não está lá. O seu conjunto faz sentido porque é claro e límpido, porque traduz uma emoção colorida, porque meigamente nos vigia. O resto, o resultado que decorre da sua aplicação, já é demasiado racional, já traduz o conhecimento. Por isso prefiro este olhar ingénuo, academicamente estúpido…

Publicado por Fernando Delgado às 21:16
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos