Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2005

A. Barreto e I. Ramonet

"A minha Pátria é uma conta bancária"
Título de uma crónica de António Barreto (Público de 20.06.1999 e republicação em Uma Década 1991-1999)
 
"Arruinado pelo cataclismo das Bolsas de Valores de 1987, um pequeno investidor enforcou-se alguns dias mais tarde, num jardim público de Madrid. Para explicar o seu gesto, o desesperado deixou uma carta na qual denunciava os abusos e o canibalismo dos agentes de cãmbio da Bolsa em relacção aos pequenos aforradores. Contava, igualmente, como tinha aceite o último prazo, depois de ter decidido suicidar-se, e tinha escolhido submeter-se, de alguma forma, ao julgamento de Deus: "Tive uma espécie de iluminação de que Deus existia e que, talvez, o meu destino não fosse o suicídio". Reservou assim o resto das suas economias para comprar bilhetes de lotaria e jogar no loto. "Para ver se Deus contribuía para resolver a minha situação". Mas o céu permaneceu desesperadamente silencioso, a sorte não lhe sorriu e, por fim, o homem enforcou-se. (...)Nas sociedades neo-liberais que elegeram como emblema o slogan "que o melhor ganhe", cada um procura provar a si mesmo, para além das suas contingências sociais objectivas, que pode ser um ganhador, uma personalidade combativa." (...)
 
Ignacio Ramonet in "Geopolítica do Caos"
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 02:02
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos