Sexta-feira, 4 de Março de 2005

Oleiro

 

(Oleiro do Redondo)
Não sei se as mãos fazem o que a mente dita. Aliás, não sei sequer se aqui existe mente, porque me parece que as próprias mãos são autónomas... Sei apenas que a arte nasce nesta simplicidade de processos e de meios: as mãos e uma massa informe de barro. Que bom que assim é. Que bom verificar que a gestação de qualquer coisa provoca à sua volta um enorme caos: água suja, salpicos pelas paredes, restos e mais restos. É este o preço associado a qualquer acto de criação. Será que este caos também atinge a mente do oleiro? Em que pensa ele?Um dia hei-de voltar ao Redondo para tentar roubar aquele relógio e aquela folha de encomendas penduradas na parede...
(Se calhar vou apenas tirar a fotografia de outro ângulo, daquele que coincide com a janela do meu mundo).
Publicado por Fernando Delgado às 00:14
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos