Domingo, 10 de Abril de 2005

Marguerite Yourcenar

 

(Óleo s/tela, 60x70) (...)
 
"Aquele que tem a pretensão de se recordar palavra por palavra duma conversa pareceu-me sempre um mentiroso ou um mitómano. Pela minha parte, nunca retenho mais que alguns fragmentos, um texto cheio de buracos, como um documento comido pelos vermes. Não oiço as minhas palavras, no preciso instante em que as pronuncio. Quanto às do outro, escapam-me e recordo-me tão-só do movimento de uma boca ao alcance dos meus lábios. (...) Depois, e excepto no que se refere ao pormenor puramente estratégico, há uma lacuna na minha memória. Creio que existem em cada vida períodos em que um homem existe realmente, e outros em que não é mais que um aglomerado de responsabilidades, de fadigas e, para as cabeças fracas, de vaidade. (...) "
 
Marguerite Yourcenar, in O Golpe de Misericórdia
Publicado por Fernando Delgado às 23:51
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos