Sexta-feira, 15 de Abril de 2005

Interiores

 

(Óleo s/tela, 66x75)
Os espaços têm sempre o tamanho da nossa imaginação, no limite são infinitos. Já aquilo que os preenche está condicionado pela memória, podendo resumir-se a pequenos pedaços, alguns fragmentos que persistem à voragem do tempo. É um erro pensar que alguns desses pedaços também são imaginário, já são qualquer coisa sem nunca terem sido coisa nenhuma. O sonho é sonho desde que exista um espaço, mesmo imaginário, mas esse sonho só é real se as personagens tiverem um rosto, mesmo sabendo que esse rosto, esse pequeno fragmento, é o que resta de um processo de decantação inconsciente.
(Sinto que escrevo palavras cujo sentido poderia ser o mesmo se as letras estivessem dispostas ao acaso. Sinto que os fragmentos do quadro têm esta lógica de arbitrariedade, de incoerência exposta, de gosto pessoal, de coisas só minhas. É uma forma de ser egoísta).
Publicado por Fernando Delgado às 01:04
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos