Sexta-feira, 15 de Abril de 2005

Interiores

 

(Óleo s/tela, 66x75)
Os espaços têm sempre o tamanho da nossa imaginação, no limite são infinitos. Já aquilo que os preenche está condicionado pela memória, podendo resumir-se a pequenos pedaços, alguns fragmentos que persistem à voragem do tempo. É um erro pensar que alguns desses pedaços também são imaginário, já são qualquer coisa sem nunca terem sido coisa nenhuma. O sonho é sonho desde que exista um espaço, mesmo imaginário, mas esse sonho só é real se as personagens tiverem um rosto, mesmo sabendo que esse rosto, esse pequeno fragmento, é o que resta de um processo de decantação inconsciente.
(Sinto que escrevo palavras cujo sentido poderia ser o mesmo se as letras estivessem dispostas ao acaso. Sinto que os fragmentos do quadro têm esta lógica de arbitrariedade, de incoerência exposta, de gosto pessoal, de coisas só minhas. É uma forma de ser egoísta).
Publicado por Fernando Delgado às 01:04
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos