Sábado, 11 de Junho de 2005

Interiores

P5020138.jpg

(Óleo s/tela, 30x50)
"Sabia que o bem, como o mal, é uma questão de rotina, que o temporário se prolonga, que o exterior se infiltra no interior e que, com o decorrer do tempo, a máscara torna-se face."
Marguerite Yourcenar in Memórias de Adriano
"Qual é a cor do teu mundo?", era a pergunta que mais gostava de fazer aos meus amigos. Deixei de a fazer a partir do momento em que o ligeiro brilho nos olhos e o sorriso cúmplice foi desaparecendo, sendo substituído por um "hã?!" jocoso e um olhar desviado para o infinito. Estes hã(nões), cuja máscara se tornou face, nunca perceberão que a pergunta era apenas uma "senha" que se estendia duma mão a um universo de coisas comuns (há uns anos, a estas coisas, chamaria utopias...). É por isso que tento resistir à vulgaridade do dia a dia, ainda que perplexo, ainda que apenas com a cor do meu mundo. Como diz a canção do Sérgio Godinho, "(...) /já só quero é ser feliz!".
Publicado por Fernando Delgado às 02:08
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos