Sábado, 11 de Junho de 2005

Interiores

P5020138.jpg

(Óleo s/tela, 30x50)
"Sabia que o bem, como o mal, é uma questão de rotina, que o temporário se prolonga, que o exterior se infiltra no interior e que, com o decorrer do tempo, a máscara torna-se face."
Marguerite Yourcenar in Memórias de Adriano
"Qual é a cor do teu mundo?", era a pergunta que mais gostava de fazer aos meus amigos. Deixei de a fazer a partir do momento em que o ligeiro brilho nos olhos e o sorriso cúmplice foi desaparecendo, sendo substituído por um "hã?!" jocoso e um olhar desviado para o infinito. Estes hã(nões), cuja máscara se tornou face, nunca perceberão que a pergunta era apenas uma "senha" que se estendia duma mão a um universo de coisas comuns (há uns anos, a estas coisas, chamaria utopias...). É por isso que tento resistir à vulgaridade do dia a dia, ainda que perplexo, ainda que apenas com a cor do meu mundo. Como diz a canção do Sérgio Godinho, "(...) /já só quero é ser feliz!".
Publicado por Fernando Delgado às 02:08
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos