Terça-feira, 28 de Junho de 2005

Ruralidades

"Metade de uma aldeia da Guarda está à venda na Internet
Amadeu Eiras está a leiloar nove casas de granito. Comprou-as para um projecto turístico, mas os apoios não apareceram. A base de licitação vai nos 121 mil euros. Tudo porque Amadeu Eiras decidiu alienar nove casas pelo melhor preço. O lugar chama-se Gonçalveiros e fica perdido entre as freguesias do Codeceiro e Guilhafonso. "Aldeia calma com dois habitantes, a dez quilómetros da Guarda", publicita o site de leilões onde o proprietário procura compradores. Gonçalveiros é hoje um cenário de casas abandonadas, muitas delas em ruína. Nas ruelas, as pessoas foram substituídas pelas ervas daninhas e o mato, que vai tomando conta de uma localidade esquecida no final de um caminho sinuoso e de terra batida. Mas era a "aldeia dos sonhos" de Amadeu Eiras, que a descobriu por acaso e foi comprando casas para concretizar um pequeno aldeamento de turismo rural. Só que as "rasteiras da vida" e a crise puseram termo à iniciativa, apesar de, entretanto, ter tirado um curso de gestão hoteleira. "O investimento é muito avultado e não consigo suportá-lo sozinho, mas é com o coração despedaçado que me vejo na obrigação de me desfazer destas casas", lamenta-se, considerando que os projectos turísticos "já não são apoiados como antigamente". A ideia do leilão na Internet surgiu depois de ver uma reportagem sobre um grupo alemão que comprou uma aldeia portuguesa. Um amigo fez o resto e colocou as casas de Gonçalveiros na net, onde a base de licitação vai nos 121 mil euros. Apesar de já ter recebido algumas propostas, Amadeu Eiras ainda não concretizou o negócio. "Todos querem comprar individualmente, só que eu não vendo em separado porque o conjunto está vocacionado para o aldeamento turístico. Para além de que assim desprendo-me logo de tudo", explica. O negócio implica nove casas de granito, de várias dimensões, que necessitam de reparações, e a antiga propriedade do senhorio da aldeia. Mas também um terreno com cerca de 10 hectares para onde Amadeu Eiras tinha idealizado um campo de golfe e uma piscina. Dez quilómetros separam Gonçalveiros da capital do distrito. O acesso faz-se pela EN 221 (Guarda-Pinhel) e vira-se em Guilhafonso. Depois segue-se por uma estrada em terra batida..."
(Jornal de Notícias, 28-06-2005)
Publicado por Fernando Delgado às 10:25
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos