Sexta-feira, 5 de Agosto de 2011

Garota de ipanema

(Das centenas de versões da Garota de Ipanema, esta é das que mais gosto, numa interpretação de Diana Kraal.

Mas não me tinha apercebido de como é lindo o poema integral da canção Garota de Ipanema. Parece que Vinicius e Jobim não gostaram dos versos iniciais, ou os seus instintos musicais levaram a este corte. Com toda a razão, como veio a demonstrar-se…Mas gosto do poema completo, com os versos iniciais, embora com várias versões, uma das quais reproduzo abaixo – ajudam a imaginar Jobim e Viniciusos na esplanada do bar de ipanema, onde bebiam uns copos, e de onde assistiam ao passar da garota, que até tinha nome, mas ficou de ipanema… Não é fácil encontrar a canção “completa” - este é um dos poucos vídeos.)

Vinha cansado de tudo

De tantos caminhos

Tão sem poesia

Tão sem passarinhos

Cansado da vida

Cansado do amor

Quando na tarde vazia

Perdida no espaço

Eu vi a menina

Que vinha num passo

Num doce balanço

A caminho do mar

Olha que coisa mais linda

(...) 

 

Publicado por Fernando Delgado às 02:21
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos