Domingo, 19 de Junho de 2011

Copianço

(Isto é copianço: o texto seguinte foi roubado daqui! Entretanto declaro que gosto do lápis e borracha, simplesmente porque me lembram os tempos em que aprendi a olhar para o lado, nem sempre, ou quase nunca, para copiar… Parece que os srs. futuros juízes utilizaram o computador - não tendo a certeza que tal presunção tecnológica se possa considerar copianço... Copianço é mais simples, mais primário, mais ingénuo, mais puro: é como partilhar qualquer coisa que só um sabe exatamente o que é. E, srs. juízes, se alguma vez tiverem que julgar alguém por copianço - sim, seria a extrema crueldade, mas ninguém vos livra dessa hipotética situação -, sejam benévo-los, não pela vossa pesada consciência, mas simplesmente porque esse pecado pode corresponder a uma extrordinária descoberta e correspondente partilha daquilo que só um sabia... Usem o lápis, depois a borracha. Perdoai-lhes. Amén!)

 

«Os romanos escreviam com estiletes de chumbo em papiro e não podiam apagar ou corrigir. Esse meio de escrita foi usado até ao século XVI, altura em que foi descoberta na Grã-Bretanha uma grande jazida de grafite quase pura que possibilitou o fabrico de lápis a partir deste material. Tornou-se assim possível apagar, mas só após a descoberta da vulcanização da borracha se atingiu a qualidade de hoje.

A grafite é uma forma alotrópica do carbono como o diamante ou os fulerenos. No processo actualmente usado para produzir lápis, grafite e argila são pulverizadas e misturadas em água. E é a proporção relativa de argila e grafite que determina a dureza do lápis: mais argila, mais duro. A massa resultante é feita passar por orifícios redondos, levada a alta temperatura e finalmente mergulhada numa cera. A madeira dos lápis é de cedro que não lasca e tem cheiro e cor de nobreza ancestral. O aroma é devido ao cedrol e outros terpenos, mas saber isso não retira sabor às memórias de infância.

Para fazer os lápis, placas de madeira de cedro com sulcos semicirculares recebem os cilindros de grafite e argila. Estes conjuntos são colado a outras placas com sulcos e os lápis são finalmente separados (veja-se este poster da Viarco ou o site da Faber-Castell).

O lápis é económico, a ligação da grafite ao papel é muito estável e a escrita com lápis não é sensível à humidade, luz e agentes químicos. O seu único ponto fraco são as borrachas de apagar que, no entanto, têm um segredo. A borracha natural, mesmo após o processo de vulcanização, não se liga bem à grafite. Por isso as borrachas de apagar têm na sua composição óleos vegetais vulcanizados, também chamados factice, que ligam bem à grafite. No processo de apagamento são arrancados pedaços da borracha que vão levando esse material junto com a grafite, mantendo a borracha utilizável. Actualmente, existem borrachas de polímeros sintéticos, por exemplo policloreto de vinílo (PVC) e copolímero de estireno-butadieno, que são muito eficientes e menos abrasivas para o papel.

[…]»

 

Química das coisas banais: lápis e borracha. Texto integral De Rerum Natura.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:36
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos