Quinta-feira, 7 de Abril de 2011

11-FMI-04

Parece que vem aí um camião de dinheiro. Se a matrícula do dito é FEEF ou FMI (ou as duas coisas), é-me um pouco indiferente.

Infelizmente esse camião não terá nenhum atrelado de bens imateriais – capacidade política, ideias, princípios, ética, etc. -, muito simplesmente porque na origem, no mercado de origem, tal como por cá, estes bens não abundam. A Europa é hoje governada (nem me atrevo a escrever liderada…) por dirigentes mornos, cinzentões, sem chama, que se movem num confrangedor deserto de ideias e, por isso mesmo, quase sempre agem sem princípios e sem ética.

Há momentos assim na história, uma espécie de buracos negros na evolução das civilizações. Nada de novo, portanto, e com a boa notícia de que normalmente se segue um novo mundo. Bem sei que o tempo histórico não é compatível com a minha angústia, mas é estranho que não se vislumbre qualquer indício desse novo mundo, nem se perceba quem poderá dar origem a esse salto qualitativo.

Neste entretanto, o que verdadeiramente me incomoda é que o destino desse camião seja este país, tão pequenino, tão meu. Não é por violarem a minha propriedade, é por, no fundo, me chamarem inútil !

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:58
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos