Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

Cohn-Bendit

(Apesar de tudo, este velho do Maio de 68, diz coisas – dizia em 1999, ano da recolha destas conversas … -, que parecem novas. Ou é esta realidade parte do futuro de que ele falava? Se é, há que reconhecer que ainda anda por aí muito chefe de estação sem comboio, ou incapaz de perceber que o comboio chegou ao fim da linha há muito tempo…)

 

«[…]

Qual é então o papel de um líder político?

É certamente procurar agir sobre o futuro. Ele não é apenas um chefe de estação das “tendências pesadas” da sociedade, que se contentaria em manobrar a agulha, segundo horários definidos noutro lado. Mas ele também é um homem todo-poderoso que, pela sua simples vontade, determinaria o futuro, como o pretende a concepção antiga da política, fundada sobre a delegação total da autoridade: a sociedade dá mandato a um homem político, e em seguida ela aprova ou desaprova, reelegendo-o ou despedindo-o, como os romanos no circo saudavam ou condenavam os gladiadores, levantando ou baixando o polegar.

As sociedades mudaram. Hoje – é uma banalidade, mas é a realidade -, a transformação do mundo é tão rápida que desorienta os cidadãos. O que parecia imutável torna-se em pouco tempo ultrapassado, ou mesmo arcaico. A história da unificação alemã é um exemplo desta evolução fantástica. A tecnologia oferece outros. Hoje o presidente da República Francesa, quando fala dos jovens, sente-se obrigado a falar de computadores, mesmo se, visivelmente, não percebe nada disso, porque não se pode falar da sociedade sem evocar a informática, o que há vinte anos não interessava a ninguém.

(…)

A crise actual vem também do facto de, pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial, as sociedades europeias recearem ser no futuro mais pobres que hoje e que no passado. É uma ruptura dramática com a evolução anterior. A força dos projectos conservadores ou sociais-democratas dos últimos quarenta anos consistia em poder garantir uma melhoria a prazo. É o que explica o fracasso das ideologias de alternativa radical, quer se trate do comunismo autoritário, ou dos revolucionários “bem pensantes”: frente a uma melhoria constante das condições de vida, a sua crítica não tinha credibilidade. Hoje é muito mais difícil garantir um tal futuro. Por isso, é necessário fazer política de outro modo.

[…]»

O Prazer da Política. Daniel Cohn- Bendit. Conversas com Lucas Delattre e Guy Herzlich. Notícias Editorial. Colecção Sinal dos Tempos.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:01
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos