Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2010

Vargas Llosa

«[…] Era um ser pequenino e miúdo, mesmo no limite entre o homem de baixa estatura e o anão, com um nariz grande e uns olhos extraordinariamente vivos, onde bulia algo excessivo. Vestia de negro, um fato que se notava ser muito usado, e a camisa e o laço tinham nódoas, mas, ao mesmo tempo, na maneira como andava com essas peças havia nele algo de sóbrio e composto, de rígido, como os cavalheiros das velhas fotografias que parecem presos nas suas sobrecasacas engomadas, nos seus chapéus altos, tão justos. Podia ter uma idade qualquer, entre trinta e cinquenta anos, e luzia uma cabeleira oleosa e negra que lhe chegava aos ombros. A sua postura, os seus movimentos, a sua expressão pareciam o próprio desmentido do espontâneo e natural, faziam pensar imediatamente no boneco articulado, nos fios de títere. Fez-nos uma reverência cortês e com uma solenidade tão inusitada como a sua pessoa apresentou-se assim:

            - Venho furtar-lhes uma máquina de escrever, senhores. Agradecia que me ajudassem. Qual das duas é a melhor?

            O seu indicador apontava alternadamente para a minha máquina e para a de Pascual. Apesar de estar habituado aos contrastes entre a voz e o físico devido às minhas escapadas à Rádio Central, espantou-me que de uma figurinha tão mínima, de feitura tão desvalida, pudesse brotar uma voz tão firme e melodiosa, uma dicção tão perfeita. Parecia que nessa voz não só desfilara cada letra, sem uma só delas ficar mutilada, nem tão-pouco as partículas e os átomos de cada uma, os sons do som. Impaciente, sem dar-se conta da surpresa que a sua cara, a sua audácia e a sua voz nos provocavam, pusera-se a esquadrinhar e como que a farejar as duas máquinas de escrever. Decidiu-se pela minha veterana e enorme Regmington, uma carrinha funerária sobre a qual não passavam os anos. Pascual foi o primeiro a reagir:

            - O senhor é um ladrão, ou quê? – increpou-o e eu apercebi-me que me indemnizava pelo terramoto de Ispahan. – Passa-lhe pela cabeça levar assim sem mais nem menos as máquinas do Serviço de Informação?

            - A arte é mais importante que o seu Serviço de Informação, seu trasgo – o personagem fulminou-o, deitando-lhe um olhar parecido com o que merece o animal espezinhado, e prosseguiu na sua operação.

[…]»

 

Mario Vargas Llosa in A tia Júlia e o Escrevedor. D. Quixote.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:57
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos