Segunda-feira, 27 de Setembro de 2010

Leituras de fim de semana

(Três propostas de leitura e um cartoon corrosivo, no Expresso desta semana)

 

1. A Lenda da Vida Eterna e Boa. Miguel Sousa Tavares.

«Todos os dias somos confrontados com notícias alertando-nos para os perigos de uma qualquer doença – se não é o coração é a diabetes; se não é a diabetes é o fígado; se não é fígado é o Alzheimer; se não é o Alzheimer são os pulmões ou a hipertensão. É raro o dia, aliás, que não é dia internacional de uma doença – pretexto para reunir um congresso e para a respectiva associação dos clínicos da especialidade entupirem os jornais com press-releases sobre esses congressos e os perigos da doença em causa. Basta ler as notícias dos nossos jornais durante, digamos, uns três meses, para verificarmos uma curiosa estatística: dois milhões de portugueses sofrem disto, três milhões sofrem daquilo, um milhão e meio sofre disto, dois milhões sofrem daquilo, etc., e por aí fora. A fazer fé nas notícias, ou a nossa população triplicou subitamente sem darmos por isso ou não há um só português saudável e muitos acumulam duas ou três doenças letais. Já sabemos que estar vivo é, só por si, uma perigosa doença, cujo desfecho há-de ser necessariamente fatal. Mas este perigo transforma-se num pretexto para uma continuada ofensiva terrorista, com objectivos muito pouco humanitários. Aterrorizar os vivos e mantê-los vivos e aterrorizados até ao limite do absurdo é o mais promissor ramo de negócio do século XXI. […]»

 

2. Como sabem, a culpa é… da oposição. Henrique Monteiro

«[…] Relativizar ou fazer cálculos políticos sobre o que o Governo francês desencadeou não é admissível. Há coisas com que, de facto, não se brinca e esta é uma delas. A sociedade não pode fingir que não percebe quando governos se dispõem a ganhar votos e popularidade à custa de um povo ou de uma etnia.

É preciso conhecer o lado negro da História. Em tempos de crise, a maioria das pessoas, apesar de apelos de conservadores, socialistas, Comissão Europeia e Vaticano, opta pelos seus interesses mesquinhos e não por valores e princípios…

A desumanidade que determina ser um cigano qualquer igual ao cigano que rouba, que pilha ou que contrabandeia não anda longe, como disse a comissária Reding, dos princípios do Holocausto. Eis-nos tão parecidos com os europeus que começaram por não ver nada de mal num alemão de bigodinho, há 77 anos.»

  

3. Energia e Infraestruturas. Indústria Eólica. Suplemento de Economia. 

Uma torre de 2 MW, com 100 m de altura, suporta um peso, no topo, de 113.0 toneladas:

  • 25.5 toneladas das três pás, cada uma com 45.2 metros
  • 69.0 toneladas da Nacet com 15 metros (componente que alberga o gerador)
  • 18.5 toneladas do Hub (espécie de coroa onde se encaixam as pás)

A energia gerada é suficiente para 1700 casas e todo o sistema é gerido por controlo remoto: a partir do Centro de Telecondução e Despacho, no Porto, é possível ver ao segundo o que está a acontecer em cada um dos aerogeradores. Além da detecção remota de problemas, o sistema permite resolver muitos deles à distância.

 

 4.O Cartoon de António 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:15
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos