Sábado, 11 de Setembro de 2010

O peso de Júpiter

(Sei que a Ciência recorre quase obsessivamente a métodos indirectos para revelar alguns dos segredos do mundo. Apesar disso, afirmar que o planeta x pesa y milhões de toneladas, sempre me pareceu mais uma estimativa do que qualquer outra coisa. Afinal não é assim – o peso ou a massa estão correctos, quase obscenamente correctos. Tão certinho que se lhe pusermos uma pena em cima, tudo vai oscilar… Este rigor em coisas desmesuradamente grandes e afastadas (Vénus ou Júpiter ficam aqui, ali ou além?) não escaparia a qualquer análise de custo/beneficio, descartável em qualquer actividade terrena. Também por isso, gosto dos cientistas e investigadores – eles acabam por ser os últimos seres sonhadores deste mundo…)

 

«Se o leitor tem o hábito de olhar para o céu nocturno após o por do Sol (…) A oeste, vê-se Vénus descer lentamente para o horizonte. A leste, vê-se Júpiter levantar-se. (…)

  

Ambos estão a grande distância da Terra. Nenhum ser humano os observou de perto. No entanto, sabemos muito sobre eles sem precisar de os alcançar. Sabemos, por exemplo, a sua massa. Segundo um novo método ontem publicado por um grupo de astrónomos (…), conseguimos medir a massa de Júpiter com um erro inferior a uma parte em dez milhões. É uma precisão impressionante que envergonha as nossas balanças. Se o leitor, imaginando que tem cerca de 70 quilogramas, quisesse medir o seu peso com precisão equivalente, teria de comprar uma balança que fosse sensível ao peso de um pequeno grão de açúcar. Quer dizer: os astrónomos conhecem a quantidade de matéria de Júpiter com maior precisão do que o leitor conhece a sua.

  

O novo método baseia-se numa ideia surpreendente. Os astrónomos usaram um dos relógios naturais mais precisos que se conhece: os pulsares.

[…]»

  

Nuno Crato in O Peso de Júpiter, e o Seu. Ler texto integral no Expresso, de 11 de Setembro de 2010.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 22:54
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos