Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

Alçada Baptista

«[…] Tenho a tentação constante deste retorno a uma espécie de saber que nada sabe, como se pressentisse que é preciso encontrar a ignorância incrustada na nossa memória mais profunda - na memória anterior a toda a memória - e que seria depois dessa reencontrada inocência que tudo teria que se reaprender. Estou com cinquenta e oito anos e tenho que reconhecer que passei a maior parte da minha vida a limpar o meu próprio terreno de construções clandestinas, de obras feitas sem licença - sem minha licença -: igrejinhas, sentimentos piegas, bairros operários, casas de espectáculo, artes e pinturas, catástrofes e outros flagelos (lá bem longe, no cabo do mundo), universidades, bordéis, ideologias e morais. Por mais que eu não queira, os meus passos continuam a tropeçar em velhos edifícios em ruínas mas não me apetece nada ceder porque acho que a reconstrução de tudo tem que começar com uma ligação verdadeira com aquela chamada indizível de que tenho a saudade: é aí que eu vejo o amor: uma vibração que não vem da inteligência e nem sequer dos sentimentos mas da natureza mais íntima e mais profunda do meu próprio ser.

 

Felizmente, nada disto para mim é dramático e sou capaz de pensar estas coisas com a dupla consciência de que a aproximação da vida é simples e leve mesmo quando nos propomos tocar naquilo de que depende o reencontro connosco próprios e que nos poderá dar a paz. Tenho a sensação de que o programa que nos meteram na cabeça está todo errado, que ali estava inscrito, por exemplo, que o amor é mesmo essa guerrilha: quem sabe, o capítulo da guerrilha homem-mulher, no grande tratado da guerra que impuseram à humanidade.

 

Hoje, já não posso ouvir falar em dialéctica, em competição, em vencer na vida, porque acho que é com nomes desses que se tem tentado encobrir o projecto sempre adiado de descobrir como saber usar a nossa liberdade e, com ela, implantar no mundo o lugar do homem. Eu hoje pergunto-me é se o nosso cérebro não estará a ser informado por um programa errado, oposto à nossa natureza, à matriz primordial do ser humano. Digo mesmo que me é difícil ver com clareza outro caminho embora saiba que a história é uma vaga que avança sem escrúpulos, a escrever o seu roteiro com aquilo que cada um tem de pior, indiferente aos poucos que procuram, nas suas margens, outras águas e outras linguagens. Isto e só ainda um princípio de descoberta mas de que não posso abdicar. De certo modo, é a minha proposta de partilha na aventura da vida.

 

[…]

 

Gosto de ti porque és minha irmã da seita do sonho. Os que sonham a dormir sabem, de manhã, que isso era uma ilusão mas os que sonham de olhos abertos acreditam que o estofo do futuro será feito desse sonho. Por isso são tão inquietantes aos olhos dos que preferiram ficar por aí, convencidos de que a vida se vive nestes limites, e nem ousam tomar conhecimento daquilo que se pode arriscar para poder experimentar as suas margens. É o medo que faz com que o homem ame a sua imperfeição. A verdade é que as pessoas não desgostam da sua imperfeição...

[…]»

 

A. Alçada Baptista in O Riso de Deus. Editorial Presença.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:14
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos